Homenagem ao meu avô Anselmo Favarato

Domênico Favarato

15/05/2011 00:00

Domênico (também chamado de Domingos) Favarato nasceu em 1842, na comuna de Casier, uma pequena cidade histórica à margem do Rio Sile, no coração da província de Treviso, região de Vêneto na Itália.

Casier na província de Treviso - Itália

Casou-se em 1865 com Maria Luigia Biscaro e, tiveram dez filhos, sete meninos e três meninas. Meu avô contava que toda a família veio para o Brasil e que depois dois filhos acabaram indo para a América do Norte, entretanto, eu encontrei registro somente da volta para Itália da filha Carlotta, e no site do Arquivo Público Estadual (http://www.ape.es.gov.br/imigrantes/Imigra.aspx) consta o desembarque do casal e apenas nove filhos, seis meninos e três meninas:

Regina Augusta, 22 anos

Vicenzo, 20 anos

Frederico, 16 anos

Desiderio, 15 anos

Eugênio Umberto, 13 anos

Carlotta, 12 anos

Elena Genoveffa, 11 anos

Ettore Giovanni, 9 anos

Giovanni Luigi, 7 anos.

E encontrei no site  Family Search  (http://www.familysearch.org) uma lista que incluía um filho ainda mais velho que a Regina, chamado Giuseppe, e que não consta na lista de desembarque do Arquivo Público Estadual.

Então ficou uma dúvida: tiveram dez ou nove filhos ?

Meu avô contava que a família era pobre e passava por dificuldades na Itália. Contava assim: 

Na Itália, minha nona trabalhava de empregada numa pensão. A velha dona da pensão a mandava para o tanque fazer faxina e de repente dizia:“Várda o que eu achei, um cordão!”  E mostrava pra ela.

Mentira! Era a própria velha que colocava o cordão ali e fingia que achava pra testar a honestidade da nona. Ás vezes colocava até dinheiro bem a vista pra ver se ela ia roubar, mas minha nona percebia tudo.

Até o dia em que a velha reconheceu que ela era mesmo muito honesta: “Essa mulher é muito boa, sabe que eu vou fazer uma cesta bem bonita pra ela.”

Fez uma cesta cheia de comidas e deu para nona. A velha dona da pensão passou a gostar muito da nona e sempre dava a cesta de comidas para ajudar a criar os dez filhos pequenos. E assim eles sobreviviam na Itália até o dia que resolveram vir para o Brasil. 

Vieram sem nada, eram só as roupas e mais nada.

Nessa época, a Itália passava por grande crise, com altas taxas de desemprego, fome e desigualdades sociais. Exemplo disto é esta resposta de um italiano para o Ministro de Estado da Itália no século XIX:

"Que entendeis por uma Nação, Senhor Ministro? É a massa dos infelizes? Plantamos e ceifamos o trigo, mas nunca provamos pão branco. Cultivamos a videira, mas não bebemos o vinho. Criamos animais, mas não comemos a carne. Apesar disso, vós nos aconselhais a não abandonarmos a nossa Pátria? Mas é uma Pátria a terra onde não se consegue viver do próprio trabalho?"

E porque a Itália estava desse jeito? vamos saber um pouco dessa história...