Homenagem ao meu avô Anselmo Favarato

 

uma família favarato

Anselmo Favarato nasceu em 7 de Setembro de 1910, apesar das dúvidas sobre a data correta, porque em seu registro consta o mesmo ano de seu irmão mais novo, o Otávio. Isso não seria possível, afinal eles não eram gêmeos!

Anselmo casou-se com Olga e tiveram tres filhos. Minha avó Olga teve apenas duas gravidezes: na primeira nasceram os meninos Dário e Dório que são gêmeos não idênticos.

 Dório e Dario

 E na segunda gravidez nasceu a menina Dalza, minha mãe.

A menina DalzaA menina Dalza

Além dos três filhos, minha avó criou mais uma menina, a Rita, que hoje tem  duas filhas: a Sumaida e a Soraia.

Virgínia, irmâ da Olga, também morou com a família por muto tempo. 

Olga, Virgínia e as crianças Dalza, Dário e DórioDalza e sua Tia Virgínia

Olga e sua irmã Virgínia, e os filhos: Dalza, Dário e Dório

Dório casou-se com Claudete e tiveram dois filhos: Josimar e Juarez. Minha Tia Claudete era uma das pessoas mais queridas e especiais dessa família, acho que era muito mais que querida... era um doce de mulher e mãe maravilhosa. Nos deixou em Janeiro de 2013 e hoje só sentimos saudades e gratidão pelo tempo precioso que toda família conviveu com ela nesse mundo.

Josimar e Tio Giglio

 O menino Josimar e Tio Giglio (irmão da Olga) na Fazenda Ceccato

Dário casou-se com Nicéia - neta do Francisco Palazzi e Luíza Favarato - e tiveram três filhos: Gustavo, Evandro e Raquel. Meu Tio Dário sempre foi o tio mais brincalhão e farrista... um tio muito querido que também deixou saudades. Faleceu em 2011 com 74 anos muito bem vividos! 

E Dalza, minha mãe, a menina da família, foi estudar em Vitória onde conheceu José Evangelista, casaram-se e tiveram três filhas: Mariolga, Marcilene (eu) e Simone

 Dalza e sua filha Marcilene (eu)Mariolga, filha da Dalza é a neta mais velha

Dalza e sua filha Marcilene (eu)                                  Mariolga, a neta mais velha

 

Anselmo e Olga moraram a vida inteira com o filho Dório, e sempre receberam muito carinho e atenção de sua nora Claudete até os últimos dias de suas vidas quando já estavam doentes. Toda a família lhe será grata para sempre!

Quando ainda moravam em Treviso, passávamos muitos dias lá, todos os netos juntos e muitas brincadeiras. Josimar, Mariolga e Rita em Treviso

 

 

 

 

 

 

 

Josimar, Mariolga e Rita em Treviso

 Rita, Josimar e Mariolga com a Avó 

 

 

 

 

 

  

Com a avó Olga

 

Mariolga e Josimar com o Avô

 

 

 

 

 

 E com o avô Anselmo

 

Depois se mudaram para Cavalinho onde Dório e Claudete moram até hoje.

A casa de Cavalinho sempre foi o lugar de encontro de toda a família, quase todos os domingos almoçávamos lá. Muitas vezes colocávamos a mesa no quintal debaixo da árvore ao lado da queijeira e do velho fogão de lenha.

Almoço da família em Cavalinho

Ali ficávamos muitas horas conversando e ouvindo as histórias do meu avô. 

  Aniversário de 80 anos

Ali comemoramos muitos aniversários, dias das mães, dos pais, e muitos Natais.

Meu avô observava o trabalho das mulheres nos preparativos das comidas com todos aqueles temperos, cremes e coberturas, e dizia: “Assim até couro de boi seco fica bom!”

Quando no domingo não tinha almoço em Cavalinho, tinha praia na Barra do Sahí em Aracruz.

Barra do Sahí

E assim a família foi crescendo, os netos casando, e os domingos quase viravam uma festa.

Mas festa mesmo foi na comemoração das bodas de 50 anos de Anselmo e Olga, quando reunimos a família toda em Acioli.

Bodas de Ouro na Igreja de Aciolil

A família completa: filhos, noras e genro, e todos os netos

Hoje essa família já tem cinco crianças:  A Beatriz - filha da Raquel, é a bisneta mais velha.

Beatriz nenem, hoje já tem 12 anos

Depois veio o Henry - filho do Josimar,  a Natalia - filha da Mariolga,  a Laís - filha da Simone,  e o mais novo membro da família, o Marco Antônio - filho do Juarez. Olha que fofo!!

Juarez com o filho Marco AntônioMarco Antônio

 Dalza com as crianças na festa de N.S.do Caravággio em Acioli

Minha avó Olga faleceu em 28 de agosto de 2001, e cinco anos depois faleceu meu avô Anselmo em 15 de Novembro de 2006.

Ele viveu 96 anos de idade e deixou um legado de lembranças impagáveis em nossos corações. Lembranças de momentos de vida, cheiro de roça, sabor de queijo e polenta quente, banhos de rio, toques de concertinas, cantigas de assovio... deixou um passado e uma parte dele impressa em todos os seus herdeiros modelados pela mesma genética, pelas lembranças e saudades.

Afinal, quem poderia esquecer a imagem de um avô igual a esse! 

Anselmo Favarato