Homenagem ao meu avô Anselmo Favarato

Pela linha do trem

23/05/2011 00:00

Quando a gente ia no Treviso, onde meu pai tinha terra, íamos pela linha do trem. Eu até falava para irmos pelo lado de cima, mas o César Morasuti não ia, assim íamos sempre pelos trilhos mesmo.

As vezes eu ficava na frente, bem longe dele e ouvia o barulho do apito da máquina : Piuiiiiii.

- Ai meu Deus, lá vem a máquina! Vou parar, ficar um pouco aqui pra esperar e ver ela passar.

E ficava esperando, esperando... e nada da máquina, até que resolvia continuar. Eu ia mais pra frente e de novo ouvia o apito: Piuiiiiii.

- Mas cadê essa máquina que não passa mais?

E aí vinha ele, era o César quem fazia o apito com a boca e fazia igualzinho a máquina! Quer saber? Ele parava a máquina imitando o apito! Quando vinha o trem de verdade, ele começava a imitar o apito e a máquina parava lá fora achando que vinha outro trem. Paravam e esperavam. Tinha que passar pra outra linha e como demorava muito, achavam que a outra máquina estava com problemas.

- Mas que coisa! Essa máquina não chega mais, ou ela está quebrada ou algum problema, vamos dar auxílio.

E acabavam descobrindo que era ele, aí era a maior briga!

- Ô, moleque, você tem coragem de fazer isso!? Sabe o que pode acontecer? Qualquer hora vão te pegar e vão te matar, heim!

O César tinha uma voz, heim! Puxa vida!